Quais os benefícios de unir o mercado jurídico e a tecnologia?

Big data analytics, cloud computing, machine learning, blockchain, agile, AI… Não deixe esses termos desanimarem sua leitura. Alguns deles até têm tradução para o português, como computação em nuvem ou inteligência artificial (IA), mas nem todos.

Com o tempo, a gente se acostuma com os estrangeirismos. Por exemplo, a arte criativa para chamar a atenção do consumidor sobre um produto ou serviço você chama de marketing, mercadologia ou mercância?

Assim como marketing, muitos dos atuais termos tecnológicos não são passageiros e precisamos entendê-los, assim como tirar proveito deles. Neste post, abordamos como a tecnologia traz benefícios para o mercado jurídico. E não são poucos os benefícios.

Então, bem-vindo à Advocacia 4.0! E confira os principais benefícios.

Benefício 1: Organização sem falhas?

As tarefas rotineiras, repetitivas podem ser informatizadas. Além de tudo ficar mais organizado e acessível, a taxa de erro humano cai. Some-se ainda o tempo que os profissionais decidam a essas tarefas, os quais podem então direcionar seus esforços ao que realmente é necessário e que importa.

Aqui, as indicações tecnológicas são o uso de sistemas de gestão, digitalização de documentos, banco de dados de processos e outros documentos, armazenamento de dados na nuvem, entre outros, com acompanhamento e acesso online.

Com a organização do material e a otimização do tempo, a consequência se dá principalmente no aumento de produtividade da equipe do jurídico, o que acaba impactando na rentabilidade do negócio.

Benefício 2: Maior agilidade

Exatamente por tudo estar digitalizado e no ambiente virtual, os profissionais conseguem acessar com mais agilidade documentos de que precisam, no momento e do local onde estiverem, por estarem disponíveis na nuvem. Também há ganho em agilidade na elaboração de relatórios de andamentos processuais feitos de forma padronizada e automatizada. 

A pandemia de covid-19 ensinou muito aos profissionais que precisaram se adaptar ao ambiente virtual. Isso reduziu o tempo perdido com idas a Tribunais e outros órgãos, assim como em reuniões e acordos que passaram a ser realizados a distância, através de aplicativos de videoconferência. De quebra, tem a economia com transporte, viagem e hospedagem, quando é o caso, e com a necessidade de espaços para reunião com clientes, por exemplo.

Benefício 3: Alinhamento com o Judiciário

Com a modernização do Judiciário graças ao processo eletrônico, é importante que o departamento jurídico das empresas adote ferramentas tecnológicas, assim como ter a certificação eletrônica, para aproveitar as facilidades dos atos processuais no formato digital.

A tecnologia permite que o departamento esteja integrado ao sistema de processo judicial eletrônico e ao de consulta dos Tribunais, com opção inclusive de criar alertas para acompanhar o que interessar em atos processuais e em publicações no Diário Oficial.

Benefício 4: Prazos sob controle

Um departamento jurídico tem que administrar muito bem diferentes prazos. Uma agenda digital, com alertas e lembretes, é muito útil para os profissionais.

Benefício 5: Economia de espaço físico

A digitalização da papelada, além de ser mais seguro por não desgastar com o passar do tempo, gera claramente uma economia de estrutura física antes destinada a armazenamento. Com a disseminação da cloud computing, o custo de armazenamento cai praticamente para zero. Novamente, tem a vantagem de se poder acessar de qualquer lugar, bastando uma conexão com a internet.

Benefício 6: Segurança e proteção

De extrema importância, a tecnologia reforça a segurança e a proteção de dados, de forma a estar aderente às mais atuais legislações, como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), graças às possibilidades de criptografia disponíveis.

Investimento com tecnologia jurídica vai triplicar

No início de 2021, o Gartner divulgou um estudo que indica que os orçamentos de tecnologia jurídica triplicarão até 2025 em nível global, em razão da pressão sem precedentes em termos de gerenciamento da carga de trabalho jurídico e de aumento da eficiência em seus departamentos

Segundo a análise do Gartner, em 2017, dos orçamentos internos 2,6% eram gastos com tecnologia para a área jurídica, o que saltou para 3,9% em 2020. O Gartner prevê que esse percentual atinja 12% até 2025.

Os advogados continuam sendo os grandes especialistas na legislação, com habilidades humanas que nenhum robô tem – e dificilmente terá um dia. Só que eles não precisam mais perder tanto tempo com atividades rotineiras e cansativas, e nem ficar mais carregando um calhamaço de papel de um lado para outro. 

Existem ferramentas tecnológicas para facilitar o dia a dia profissional. E, se facilitam, por que não usá-las? Com um parceiro de tecnologia jurídica sério ao seu lado, nem é preciso ser um especialista em TI.

Fontes:
https://www.gartner.com/en/newsroom/press-releases/2020-02-10-gartner-predicts-legal-technology-budgets-will-increase-threefold-by-2025